Tipos de Disartria (parte 2)

Dando continuidade ao artigo de ontem Tipos de Disartria (parte 1), iremo-nos insidir nos tipos de Disatria que surgiram em 2009 pelo Ribeiro e Ortiz:

 

Neurónio motor superior lateral Mista

Quais as características que identificam e diferenciam cada Disartria?

 

A Disartria do tipo Neurónio Motor Superior 

Unilateral caracteriza-se por:

  • é uma disartria espástica leve;
  • alteração na articulação nos fonemas m, p, b com quebras articulatórias irregulares;terapia da falaIV
  • voz rouca;
  • velocidade do discurso lenta;
  • hipernasalidade;
  • leve alteração na fonação e ressonância;
  • alteração na musculatura inferior da face (não altera o controle do véu paliativo, laringe ou mandíbula);
Associada a uma lessão unilateral do neurónio motor superior, é uma disartria semelhante à espástica mas num grau leve.

A Disartria do tipo Mista caracteriza-se pela:

  • alteração de vários componentes do sistema motor, apresenta diversas carateristicas de dois ou mais tipos de disartria falados anteriormente

Associada à:

  • Traumatismo Crânioencefálico;
  • Esclerose Lateral Amiotrófica (que manifesta uma disartria flácida e espástica);
  • Esclerose múltipla (que manifesta uma disartria espástica e atáxica);
  • Doença de Wilson (que manifesta uma disartria espástica, atáxica e hipocinética).

É relevante informar que a Disartria mais comum na população corresponde à espástica, seguida da flácida e  por último a atáxica.

cerebro

Existem caracteristicas comuns aos individuo com Disartria, como a:

  • imprecisão articulatória;
  • diminuição da velocidade da fala;
  • fala irregular monoaltural e  monointensa;

No entanto, o diagnóstico e o tipo de Disartria vai depender da avalição do Terapeuta da Fala ao nível da respiração, fonação, ressonância, articulação e prosódia.

 

 

Boas Leituras!

Referências Bibliográficas
Barroco M., (2008). Articulação em Disartria pós-TCE – Análise Acústica,Dissertação apresentada à Universidade de Aveiro
Ferreira, L.; Befi-Lopes, D. & Limongi, S.(2004).  Tratado de fonoaudiologia. São Paulo: Roca.
Murdoch, B. (1997). Desenvolvimento da fala e distúrbios da linguagem. Editora Revinter.
Ribeiro, A. & Ortiz, K., (2009). Populational profile of dysarthric patients assisted in a tertiary hospital. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2009;14(3):446-53