T.I. Como explicar a introversão!

Nos dias que correm é muito usual apresentarmos a extroversão como sendo algo natural e normativo, até ficamos melindrados quando conhecemos crianças ou adultos que não se apresentam desta forma.

Introversão (1)

Em muitos casos é sinal de recomendarmos uma consulta com o psicólogo, com algum receio que a criança ou o adulto possa passar por um período de depressão e acentuando a sensação de deslocação, por ser diferente do que é sugerido socialmente.

Nos nossos gabinetes e nas nossas parcerias, recebemos estas preocupações por parte da família, porque afinal de contas tanto a criança como o adulto apresentam um comportamento mais reservado.

E coloca-se a pergunta fundamental de um psicólogo, na apresentação da situação:

  • Do que está a espera que possa vir a acontecer?

Nestas alturas, a cara dos familiares é de algum assombro, acabando por partilhar preocupações face a uma norma vigente, que necessitamos todos de sermos extrovertidos, afinal isso é sinal de saúde mental.

Necessitamos de desconstruir e desmistificar alguns tabus, após compreendermos que não estamos a falar de um quadro patológico como uma depressão.

Introversão (2)

É importante ajudar a cada um compreender o conceito da introversão versus a extroversão.

Quando falamos de introversão, falamos do olhar para dentro, da capacidade da pessoa em pensar a si e ao mundo de forma contemplativa, reflectindo e meditando sobre algum tema que possa envolver um desafio cognitivo ou possa criar espaço para a necessidade de ponderação sobre uma decisão de vida.

Susan Cain na sua TED de 2012, explica o poder do silêncio na introversão e a sua importância no desenvolvimento do mundo. Muitas vezes a sua TED é uma ferramenta de trabalho para ajudar a compreender as vantagens de uma pessoa introvertida perto de nós.

É partilhado nesta palestra que devido as suas características,  os introvertidos acabam por fazer um gasto maior a nível energético na estimulação social, acabando muitas vezes por se sentirem muito cansados, sem compreenderem esta esta situação.

Sarah Corbett na sua partilha sobre a importância da introversão no activismo, acaba por explicar a sua reflexão sobre este processo de interacção social, e a sua desconstrução ao longo da sua existência adulta, de forma a naturalizar este esforço em vez de se sentir culpada por algo que era inerente a introversão.

Quando usamos estas TED’s, abrangemos tanto para as famílias, técnicos como professores, educadores, tal como cada um dos utentes, que possa já ter uma idade superior aos 14/15 anos, de forma a naturalizar as suas posturas e desmistificar os processos. Introversão

Podemos clarificar a comunidade que um terço da população é introvertida, e é relevante que os mesmos estejam por perto, para ajudar no nosso dia a dia, como a potenciar o desenvolvimento das nossas comunidades.

Apresentamos a TED da Susan Cain, e futuramente falaremos do seu livro sobre a importância do Silêncio.

Boas intervenções!