T.I. Psicologia – Planeamento Semanal

Hoje vamos falar da importância dos planeamentos na rotina diária.

É comum a partilha das crenças, por parte do utente:“Eu não consigo-me organizar!” “Eu não sei organizar a semana!” “Eu nem sei como conciliar tantas coisas ao mesmo tempo!” “Eu não consigo fazer tudo! Seja em casa, trabalho ou socialmente com os amigos!” .

Após ouvirmos estas partilhas e acolhe-las, é importante compreender se estas crenças são verdadeiras ou falsas, de forma a ajudar o utente a diferenciar as partidas que poderá fazer a si mesmo!

Para isso podemos começar com uma Lista de Tarefas, seguindo do Plano Semanal.

 

Lista de Tarefas

Lista de Tarefas

Começamos por listar as tarefas que o utente poderá fazer no seu dia a dia!

De seguida, verificamos as que são mais importantes e as menos importantes.

Analisamos também as tarefas que o utente possa ter mais dificuldade em realizar por:

  • Desagrado;
  • Desnecessário;
  • Desperdício de tempo; 
  • Repetição;

Como será importante analisar quais as que são da sua responsabilidade e as que são responsabilidade de outros, sejam estes família, companheiros, colegas de trabalho ou amigos. Neste sentido, é importante coordenar as tarefas entre as responsabilidades que o utente têm e sente que são legitimas, e as que são adicionadas sem contudo validar ou concordar com as mesmas.

Quando efectuamos este primeiro passo, promovemos a tomada de consciência por parte do utente sobre o que é importante e o dispensável para si.

 

Mapa Mensal LWT

Plano semanal

De seguida organizamos o plano semanal do utente, com as tarefas:

  • Do dia a dia;
  • Extras;
  • Hobbies;
  • Momentos de ócio;

Coordenando as responsabilidades directas ou indirectas, de forma a desenvolver um espaço de reflexão sobre o que o utente gosta e quer realmente fazer, e conseguir afirma-lo, mesmo que só possa ser no espaço terapêutico.

Estas estratégias ajudam os utentes a visualizarem o seu dia a dia, conseguindo desmontar as situações em que se sentem contrariados e em esforço.

Abrindo espaço para mais tarde poderem escolher em mudar ou manter a situação, tendo em conta que é sempre uma escolha do utente sobre o que quer fazer da sua vida.

 

TI Psicologia

Recomendações:

  • Estas crenças muitas vezes acabam por mascarar outras situações que não têm espaço para se manifestar, sendo importante trabalhar numa outra sessão;
  • Será importante, após a elaboração dos exercícios em papel, reflectir os momentos que possa passar consigo seja a fazer um hobbie ou simplesmente a viver o ócio, como a sua vivência com os outros, dentro do que realmente quer fazer.

 

Esta abordagem é mais adequada quando temos utentes que afirmam não conseguirem fazer a sua rotina, ou terem uma falsa percepção de que não fazem nada.

Em breve falaremos sobre as outras variantes!

 

 

Boas terapias!